Ir para conteúdo

Biblioteca

Avaliação de Projetos e Políticas Sociais

Aula sobre Avaliação de Projetos e Políticas Sociais ministrada por Luiz Scorzafave.



Avaliação de Projetos e Políticas Sociais - Parte 05

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (Camp Guarujá): Descrição

Ir para a transcrição do vídeo

Transcrição

00:00 a 00:11 (Vinheta de abertura)

Imagem: Vinheta de abertura. Ilustração de um mapa múndi na cor azul clara ocupa toda a tela. A logomarca da Fundação Itaú Social aparece ao centro e alguns ícones na cor branca aparecem formando um círculo central ao redor da logomarca. A logomarca desaparece, dando lugar ao texto em azul escuro: “Curso Avançado de Avaliação de Políticas Públicas e Projetos Sociais”. Na sequência, os textos são substituídos por um retângulo grande azul escuro na parte central da tela. Dentro dele, está escrito: “Avaliação de Projetos e Políticas Sociais, Professor Luiz Guilherme Scorzafave, 12 de Janeiro”. Abaixo do retângulo, também em azul escuro, o texto “Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (Camp Guarujá): Descrição”.

Áudio: trilha moderna percussiva.

00:12 a 05:56 (Luiz Guilherme Scorzafave)

Imagem: Professor Luiz Guilherme Scorzafave, da Fundação Itaú Social, está à frente de uma sala de aula com um telão e lousa verde atrás dele. Ele está de pé e apresenta os conteúdos olhando para a turma.

Áudio Professor: Eu vou falar do terceiro projeto que a gente avaliou, que é esse projeto do “Camp Guarujá”. Essa avaliação já está concluída. Já foi feita até há um pouco mais de tempo. E aí, eu vou mostrar um pouco os resultados dela e também um pouco das especificidades. Então, eu vou descrever o que é o Camp, o que fazem, a metodologia e focar bastante aqui nos resultados. O CAMP é uma instituição também bem antiga que fica no Guarujá. Guarujá é uma cidade do litoral do Estado de São Paulo. É bem conhecida na comunidade, tem a missão de promover o direito das crianças e adolescentes, pessoas com deficiência... Enfim, bem no espírito dos outros dois casos que a gente já viu. Também está numa região de alta vulnerabilidade. Eles ficam em uma região perto do Porto de Santos, ao lado do Guarujá. Tem uma comunidade bastante carente na zona portuária. Eles ficam ali. E aí, qual é a ideia? Eles têm esse programa que se chama Serviço de Fortalecimento de Vínculos, com basicamente propiciar formação humana e profissional para jovens e adolescentes em vulnerabilidade. Eles têm dois programas: o “Integração” e o “Aprendiz Integral”, que são programas sequenciais. Vou explicar como funcionam. O “Integração” é uma porta de entrada. São cursos de comunicação oral e escrita, postura e raciocínio lógico para ocupações específicas e para a formação humana, voltado a jovens mais jovens. E aí o “Aprendiz Integral”. Então, o que acontece? Primeiro, o jovem entra e faz o “Integração”. E depois que eles fazem esse curso do “Integração”, no ano seguinte, eles passam por esse ”Aprendiz Integral”. E a ideia é que aqui assim eles sejam inseridos no mercado de trabalho como aprendizes. E também tem apoio psicossocial com supervisão das atividades. Então, são três programas de qualificação profissional, mas os três com desenhos bem distintos entre eles, apesar de os objetivos serem bem parecidos. O objetivo deles é a integração e permanência do jovem no mercado de trabalho para favorecer a sua ascensão social, permanecer no sistema educacional, vínculos familiares e reconhecimento do trabalho e da educação como direitos de cidadania. Os critérios de seleção do “Integração”! Vocês vão ver que eles vão pegar os meninos mais jovens um pouco, para justamente poderem fazer o processo como um todo. Tem que estar matriculado e frequentando a escola no período noturno, porque ele é um projeto de período integral. Então, tem que estar estudando à noite. Então, eles pegam meninos que tem que estar pelo menos na oitava série. Então, não pode ter um atraso escolar muito grande. E isso é um problema, porque eles não podem pegar meninos que estejam na sexta série, na sétima série, porque não tem noturno lá no Guarujá. Então, eles têm que se restringir. Eles gostariam de pegar pessoas com maior vulnerabilidade, com mais atraso escolar, mas não podem por causa de uma restrição da oferta da rede de ensino. E com baixa renda. Eles dão muita ênfase para órfãos e pessoas com deficiência. Aí a gente está avaliando turmas mais antigas, tá? Então, olhando a turma que começou em 2010, houve as inscrições em 2009, foram 1.482 candidatos... Bastante gente! Só que eles tinham um negócio de esforço! Então, para a inscrição ser efetivada, tinha que se apresentar os documentos e levar 20 latinhas de alumínio amassado. Então, a ideia é um pouco de tentar pegar um mínimo de interesse para a pessoa se inscrever. E aí, desses 1.882, uns cento e poucos já saíram aí. Aí, alguns não foram fazer essa prova, que era uma dissertação e 29 alternativas de múltipla escolha, basicamente de Matemática, Português e Conhecimentos Gerais de sétimo ano. Então, notem também que é um processo com bastante etapas. Depois disso, a avaliação socioeconômica do candidato. E o que eles avaliavam? Baixa renda e maior número de pontos na prova. Então, eles têm um critério aqui diferente, por exemplo, do que o da “Liga”, onde a prova não é classificatória. Aqui sim, eles pegam os alunos que vão melhor na prova. Então, já pode ser um elemento aqui importante dos resultados que a gente vai mostrar. Enfim, aí tem visitas domiciliares para esclarecer alguns problemas e também eles colocam pessoas com deficiência, órfãos com renda familiar baixa e assim por diante. Bom, eu tenho, no programa “Integração” 2010, 460 adolescentes em cursos semestrais, 225 para o primeiro semestre e 235 para o segundo. É um curso de período integral e duração de quatro meses.

05:57 ao Fim (Cartela)

Imagem: Ilustração de um mapa múndi em tom azul claro ao fundo. E, em primeiro plano, duas imagens de capítulos posteriores a esta aula com o cabeçalho “Veja Também” em azul escuro. No rodapé, o texto: “Conheça mais em www.redeitausocialdeavaliacao.org.br”.

Áudio: Trilha moderna percussiva.