Ir para conteúdo

Biblioteca

Avaliação de Resultado e de Impacto

Aula sobre Avaliação de Resultado e de Impacto ministrada por Ricardo Paes de Barros.



Avaliação de Resultado e de Impacto - Parte 08

Como realizar o processo de seleção por sorteio?

Ir para a transcrição do vídeo

Transcrição

00:00 a 00:08 (Vinheta de abertura)

Imagem: Vinheta de abertura. Ilustração de um mapa múndi na cor azul clara ocupa toda a tela. A logomarca da Fundação Itaú Social aparece ao centro e alguns ícones na cor branca aparecem formando um círculo central ao redor da logomarca. A logomarca desaparece, dando lugar ao texto em azul escuro: “Curso Avançado de Avaliação de Políticas Públicas e Projetos Sociais”. Na sequência, os textos são substituídos por um retângulo grande azul escuro na parte central da tela. Dentro dele, está escrito: “Avaliação de Resultado e de Impacto, Professor Ricardo Paes de Barros, 20 de Janeiro”. Abaixo do retângulo, também em azul escuro, o texto “Como realizar o processo de seleção por sorteio”.

Áudio: trilha moderna percussiva.

00:09 a 10:23 (Ricardo Paes de Barros)

Imagem: Professor Ricardo Paes de Barros, da Fundação Itaú Social, está à frente de uma sala de aula com um telão e lousa verde atrás dele. Ele está de pé e apresenta os conteúdos olhando para a turma.

Áudio Professor: Bom, rapidamente o seguinte: no processo de seleção por sorteio, a gente usa um truque que eu recomendaria para todo mundo, que é bem simples e bem útil. Toda vez que você faz um sorteio, nada garante que voc6e vai ter sorte. Então, você pode fazer um sorteio e virar 70 por cento de mulheres para um lado e 30 por outro. Embora a coisa seja meio a meio. Você não sabe o resultado do seu sorteio. E, nem sempre as pessoas deixam você fazer um sorteio no computador, igual a gente fez aqui em creche. Por exemplo, no caso do “Jovem de Futuro”, eles gostam de fazer com as bolinhas que rodam lá na hora. E sei lá como aquelas bolinhas estão funcionando, o que vai realmente acontecer naquele dia! Então, uma maneira simples de você fazer é o duplo sorteio, que é um truque legal. Suponha que eu tenho a Escola A e as Escola B, que formam um par. E eu preciso saber qual vai tratamento e qual vai ser controle. Eu quero escolher A ou B. Eu posso fazer um simples sorteio e escolher qual das duas será tratamento e o controle. E o que a gente faz? A gente faz um truque que é o seguinte: eu vou atribuir a A, na minha sala, um número que pode ser 1 ou 2 e vai ser aleatório. E eu garanto que esse 1 ou 2, na minha sala, é perfeitamente aleatório. Então suponha que eu atribui 2 a A e 1 a B. Eu soorteei isso. Então, é aleatório. Aí, lá no campo, eles recebem um envelope 1 e um envelope 2. Eles não sabem mas, dentro daquele envelope 2, está escrito o nome da escola A. Dentro do envelope 1, está escrito o nome da escola B. Eu, na minha sala, eu não estou brincando. Eu não decidi nada. Vão dizer: “que coisa mais idiota que você fez! Você trocou de A para 2 e de B para 1. E daí?”. O que vai acontecer? Em um envelope, na frente, está marcado 2. E, no outro, marcado 1. Aí alguém vai chegar lá e sortear um número para o tratamento e para o controle. Suponha que ele sorteia o 1 para tratamento. Ele acabou de sortear a Escola B. E o envelope 2, para controle. Se quiserem sabotar isso e, lá na hora, falem o seguinte: “o 2 será sempre tratamento”. Eu ainda tenho sorteio aleatório? Tenho, porque o 2 é aleatório. E vice-versa. Se eu desse para um assistente preguiçoso fazer essa aleatorização e ele falasse o seguinte: “eu vou colocar isso em ordem alfabética. O primeiro caso em ordem alfabética vai ser o 2. Logo, isso aqui não tem nada de aleatório!”. Mas daí, lá na hora, se tivesse sorteio? O final iria ser eleatório? Ia. Porque quem se importa como ele nomeou o 2 ou o 1? Já que se está sorteando 2 ou 1 aleatório! Ele pode ter colocado quem ele quisesse dentro do 2 ou do 1, que não teria problema nenhum. Se as duas coisas acontecerem, obviamente eu estou em apuros! Se ele colocou aqui em ordem alfabética e ele pegou o 2 como sendo o tratamento, o tratamento vai ser em ordem alfabética. Mas, se um dos dois sorteios foi feito de maneira honesta, garante que o sistema total tem uma coisa aleatória. Então, isso é o que a gente faz na prática para garantir a integridade desse negócio. Lembrando sempre que ninguém está brincando com o sorteio final! Não é porque eu faço esse primeiro sorteio, que eu já sei quem são os sorteados. Não! O segundo sorteio define qual é a escola. E define por sorteio. Eu só dei uma embaralhada aqui.

Áudio Aluno: Qual o ganho de se fazer esse primeiro sorteio, que não é bem um sorteio?

Áudio Professor: Não, o primeiro sorteio é um sorteio.

Áudio Aluno: Certo! Mas se eu já fizesse o sorteio final?

Áudio Professor: Se você fizer o segundo sorteio e garantir que funciona, funcionou! Isso aqui eu faço meu escritório. Aí, eu saio de lá, garantido que o sorteio funcionou. Qualquer coisa que acontecer na prática, o meu sorteio está garantido. Pode acontecer qualquer coisa lá. Podem sabotar, podem fazer o que quiserem lá, embora tudo isso seja filmado. Mas qualquer coisa que eu não esteja vendo. Mexeram nas bolinhas, no peso da bola... podem fazer qualquer coisa, que o sorteio está garantido. E, por outro lado, eu não estou brincando com eles, de carta marcada e eles não estão fazem nada. Eles estão abrindo envelope e não estão sorteando nada. Eles estão sorteando tudo. Então, é uma maneira de dar a eles total protagonismo, sem correr nenhum risco de que o sorteio não seja fidedigno. E é um preço muito barato para você pagar. Em vez de dar para alguém sortear o nome das escolas, ele sorteia um número. Entendeu? Ninguém se opõe a um negócio desse. O nome da escola está lá dentro do envelope lacrado. Então, por exemplo, no sorteio do Rio de Janeiro, as pessoas se inscreveram. Aí falaram: “vamos colocar na urna o número de inscrição”. “Não, não, não. Deixa eu te dar um outro número, que você vai colocar dentro da urna”. Aí, o que eu fiz? Eu peguei os números de inscrição, sorteei e não deixo ninguém ver o número de inscrição. Aí, eu dou para ele o meu número, que ordena aquelas escolas e falo: “sorteia o meu número”. Porque eu tenho aqui, nesse arquivo secreto e gravado, qual escola esse número quer dizer. Só que niguém sabe esse número. Se sortearem o 37, não se tem a mais vaga ideia de quem seja o 37, porque está lá lacrado. Porque eu não sorteei a escola, entendeu? Então, é uma história de você criar um véu de ignorância no meio, que preserva a integridade do sorteio de qualquer jeito. E se você vai fazer um trabalho desses e vai ter um sorteio, é melhor você garantir a integridade desse negócio. Entendeu?

10:24 ao Fim (Cartela)

Imagem: Ilustração de um mapa múndi em tom azul claro ao fundo. E, em primeiro plano, duas imagens de capítulos posteriores a esta aula com o cabeçalho “Veja Também” em azul escuro. No rodapé, o texto: “Conheça mais em www.redeitausocialdeavaliacao.org.br .

Áudio: Trilha moderna percussiva.