Ir para conteúdo

Biblioteca

3º Encontro Virtual de Avaliação: Projeto CIEE

3º Encontro Virtual: Avaliação do Programa Mais, uma iniciativa do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE).



3º Encontro Virtual de Avaliação: Projeto CIEE - Parte 08

Parte 08

Ir para a transcrição do vídeo

Transcrição

00:00 a 00:09 (Vinheta de Abertura)

Imagem: Vinheta de abertura. Sobre fundo quadriculado laranja, logomarca do Itaú aparece em primeiro plano e se movimenta até ficar ao centro da tela. Depois, o fundo alaranjado fica leitoso, com um tom rosa claro, e a logomarca do Itaú desliza para esquerda da tela, revelando assim os dizeres “Fundação Itaú Social” na cor azul escura e à direita da logomarca do banco.

Áudio: trilha animada com piano e instrumentos de corda.

00:10 ao Fim (Carlos Eduardo Garrido, da Fundação Itaú Social)

Imagem: Carlos Eduardo Garrido, da Fundação Itaú Social, entrevista Elaine Toldo Pazello, avaliadora da Fundação Itaú Social e Professora da FEA-SP/USP (entrevistada 1) e Valéria Moreno, Coordenadora de Programas Especiais do CIEE/RJ (Entrevistada 2) .

Áudio Apresentador: Olá! Nos blocos anteriores, a gente conheceu um pouco mais sobre o Programa Mais, uma iniciativa do CIEE do Rio de Janeiro, que busca promover o ingresso no ensino superior de jovens em situação de vulnerabilidade social. Foi apresentado aqui o que foi avaliado desse programa e como foi avaliado. E agora, é hora de a gente conhecer um pouco sobre os resultados, saber se realmente transformou a vida de quem participa. E a Elaine, que está aqui com a gente, foi a avaliadora desse projeto e vai ajudar um pouco a contar essa história, não é Elaine? Esse projeto teve impacto?

Áudio Entrevistada 1: Vamos todos juntos! Acho que, antes de a gente ir propriamente para os resultados, acho que convém a gente falar um pouquinho da análise desse tipo de variável que a gente analisou, que é “Inserção no Ensino Superior”. Quando a gente pensa na inserção no ensino superior, na verdade, você consegue olhar todo esse processo, acho que eu posso chamar de processo, como, na verdade, um processo com vários passos. E, na verdade, com esses vários passos, a gente vai tendo várias seleções. Então, o que eu estou querendo dizer com isso? Então, se a gente olha aquele slide, o que ele está dizendo para a gente? A gente pega primeiro todo mundo do grupo, que é então o total de pessoas. Aí, para as questões de análise de ensino superior, uma primeira coisa é se esses jovens prestam ou não vestibular. Se eles não prestarem vestibular, já parou por aí. Então, o primeiro no processo ali é a pergunta se eles prestaram ou não o vestibular. Felizmente, eu acho que isso é uma coisa boa que a gente pode observar, é que, em geral, todo mundo presta. Porque assim, a gente está olhando jovens em geral que, de alguma forma, se interessaram pelo ingresso no ensino superior. São jovens do Almirante, mesmo jovens do “Ser Cidadão” e mesmo o grupo controle do CIEE; porque ele se inscreveu para fazer parte do Programa Mais. Então, prestar vestibular, o ENEM, que era a forma como a gente perguntava, felizmente… se não foi 100% foi, sei lá, 99% dos jovens de todos os grupos. Todo mundo presta! Então isso foi uma coisa legal. Então essa primeira análise a gente nem olha. A gente entende já que todo mundo presta Bom, dado que prestou, tem o segundo passo: se ele vai ter sucesso ou não, se vai ser aprovado ou não. Essa, inclusive, era a nossa primeira variável. Seguindo: aprovado ou não aprovado, a gente não encontrou também diferença entre os grupos. Eles passam em alguma coisa! Eles prestam vestibular e, em alguma coisa, entram! Então, a gente não encontrou diferenças estatisticamente significativas entre os grupos, de forma que a gente pudesse atribuir algum impacto. Nós começamos a encontrar impacto dali para frente, porque aí nós vamos olhar dentre os aprovados. Dentre os aprovados, uma coisa que a gente quis olhar, e que eles têm preocupação, é a inserção desses jovens, onde acontece essa inserção. Então a gente tinha uma variável que era se o jovem passou em universidade pública, instituição pública, ou se ele passou em instituição privada. Mas notem que, quando a gente estiver olhando para essa variável, a gente já não está mais olhando para quem não foi aprovado. É isso que eu estou chamando de “seleção”. Então, você vai olhar, na verdade, dado que foi aprovado, se foi em universidade pública ou se foi particular, certo? Então, essa seleção faz com que alguns dos nossos grupos acabem ficando muito pequenos, no final. Porque a gente tinha grupos inicialmente que eram pequenos, a gente teve um atrito no campo, que a gente comentou, e aí depois a gente vai ter essas contínuas seleções na nossa análise. E o que a gente fez com isso? A gente olhou de todas as formas possíveis e imagináveis. A gente faz análises considerando toda essa condicionalidade que vai existir ao longo do processo; e, da mesma forma, sem considerar toda essa seletividade. Uma outra variável que a gente olha e que também pode ter alguma relação: dado que foi aprovado, a gente olha se ele faz matrícula ou não. Então, dado que ele foi aprovado se em universidade pública ou privada; dado que ele foi aprovado, se ele faz matrícula ou se ele não faz matrícula. E, por fim, uma última variável que, aí é uma seleção ainda maior, porque ele tem que ter feito matrícula, que é o lance de olhar. E ele concluiu? Então, a gente também perguntava se ele tinha concluído o curso ou se o curso ainda estava em andamento, que é a ideia de “permanência”, que é uma coisa bastante importante para o pessoal do CIEE, pessoal do Programa Mais. Mas enfim, todas essas seleções que foram acontecendo, elas trouxeram esse problema para gente que, na verdade, alguns grupos ficaram pequenos.