Melhorias e desafios da avaliação de impacto de programas sociais são discutidos em workshop

23 de Novembro de 2016 • Fundação Itaú Social • 2 Comentários

Os projetos sociais e as políticas públicas impactam a vida dos seus participantes? Se sim, quanto e de que forma? As iniciativas são economicamente viáveis? Essas perguntas são feitas todos os dias por gestores sociais e pela sociedade. Para respondê-las, a avaliação econômica de projetos sociais une a avaliação de impacto, que mensura o quanto a vida das pessoas de fato mudou devido à intervenção, e a análise de retorno econômico, relacionada à viabilidade ou necessidade de melhoria financeira do projeto.

Valorizando sempre a qualidade das ações voltadas para a sociedade, a Fundação Itaú Social promoveu no dia 25 de agosto de 2016 o workshop sobre Métodos para Avaliação de Impacto de Programas Sociais. O objetivo do encontro foi conectar avaliadores e propor melhorias para o processo da avaliação de impacto. O evento contou com a presença e apresentação de trabalhos dos professores Samuel Berlinsky (IDB), Francisco Gallego (PUC-Chile, J-Pal), Sérgio Firpo (Insper) e Naércio Menezes Filho (Insper e USP). Avaliadores de impacto de diferentes instituições brasileiras também estiveram presentes, contribuindo para a discussão.

Samuel Berlinski ressaltou a importância de a avaliação econômica acompanhar as ações sociais desde a sua concepção e dialogar com a teoria da mudança associada ao programa. O pesquisador também destacou a importância de avaliações de impacto que comparam projetos a partir de seus custos e benefícios, o que facilita a tomada de decisão dos gestores. Francisco Gallego apresentou a avaliação de um programa que não pôde ser aleatorizado. Diante dessa dificuldade, a opção foi sortear o tipo de intervenção, mas garantindo que toda a população fosse contemplada. Tal desenho possibilitou entender como essas diferenças afetam os resultados do programa e qual a maneira mais eficaz de atingir seus objetivos. Naércio Menezes Filho apresentou uma estratégia empírica inovadora para identificar a relação de causalidade entre renda familiar e o desenvolvimento cognitivo na primeira infância. Sérgio Firpo abordou problemas e soluções técnicos das inferências estatísticas em avaliações aleatorizadas quando consideram-se diferentes grupos de indivíduos (clusters).

A comunicação e a compreensão da imprensa sobre os resultados da avaliação econômica de projetos sociais também foram debatidas. A falta de clareza sobre as limitações de cada método avaliativo e sua qualidade técnica dificultam a divulgação dos resultados e sua correta interpretação. Como consequência, as avaliações são, muitas vezes, indesejadas pelas equipes gestoras, sobretudo no setor público, devido à insegurança e incerteza que geram. Nesse sentido, foram apresentadas alternativas que têm sido testadas em outros países, como treinamentos e workshops com jornalistas.

Ao reunir alguns dos principais pesquisadores dedicados ao tema, foi possível compartilhar boas práticas, experiências e avanços técnicos que têm sido verificados, além dos desafios a serem superados. Por meio de ações como esta, a Fundação Itaú Social contribui para a qualificação das ferramentas de avaliação de impacto utilizadas na área social.

Assista aos vídeos e saiba mais sobre o workshop!

Naércio Menezes – Renda familiar e desenvolvimento cognitivo

Sérgio Firpo – Testes de balanceamento em amostras estratificadas

Sérgio Firpo – Inferência em aleatorizações imperfeitas

Veja também

Seminário debate impactos da relação entre escola, família e comunidade
A construção de grupo de controle para avaliação econômica de projetos sociais: desafios, vantagens e desvantagens
Como desenvolver a avaliação econômica do seu projeto?

Deixe um comentário


Comentários (2)

Marcella Beatriz23 de Março de 2017

Prezada Josilene, Agradecemos pela escolha da Fundação Itaú Social como uma possível parceira em projetos realizados por sua Instituição. Por meio do programa Comunidade, Presente! a Fundação Itaú Social apoia projetos sociais nas áreas de educação infantil, educação integral, formação de jovens para o trabalho e saúde pública. Para encaminhar a solicitação de apoio, procure a agência Itaú mais próxima, e converse com o gerente. Você receberá todas as instruções para apresentar seu projeto. É importante que você saiba: • A organização solicitante deve ser juridicamente constituída e ter um mínimo de 3 anos de existência, caso a organização possua certificações como CEBAS, COMAS ou possuir o certificado de OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, inscrição no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) será um diferencial importante; • Sobre o projeto: a Fundação Itaú Social não apoia custeio ou manutenção de atividades (recursos humanos, alimentação, transporte e patrocínio para eventos, seminários, congresso). São realizados investimentos pontuais, como aquisição de equipamentos e materiais permanentes. • Não é possível contemplar iniciativas de pessoas físicas. Colocamo-nos à disposição para esclarecer dúvidas sobre esse assunto. Atenciosamente, Fundação Itaú Social Atendimento | Fale Conosco

Nome Sobrenome Josilene Batista de Araújo Cardoso16 de Fevereiro de 2017

Bom dia Sou pedagoga e assumo a pasta da Secretaria de Assistência Social do município de pequeno porte 1, Timbaúba dos Batistas - RN, também sou Articuladora do Selo UNICEF, onde o município foi reconhecido nessa edição 2013/2016. Trabalhei Política Públicas com um grupo de Adolescente do NUCA. Meu maior sonho seria conseguir um patrocínio para um projeto social junto a Fundação ITAÚ. que orientações nos sugere? Obrigada Bom dia

Deixe um comentário